A Rússia nomeia a primeira vacina Covid-19 de ‘Sputnik V’ em referência à corrida espacial da Guerra Fria

Vacina contra o Coronavírus da Rússia (Covid-19): A mudança abre caminho para a inoculação em massa, mesmo enquanto os estágios finais dos testes clínicos para testar a segurança e eficácia continuam.

Vacina para o covid19: Apelidado de Sputnik V, o ministério da saúde da Rússia deu aprovação regulatória para o que afirma ser a primeira vacina Covid-19 do mundo, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya de Moscou, após menos de dois meses de testes em humanos, disse o presidente Vladimir Putin na terça-feira, relatou a Reuters. Ao dirigir-se a uma reunião do governo hoje, Putin foi citado como tendo dito pela AP, eu gostaria de repetir que ele passou em todos os testes necessários. Ele acrescentou: O mais importante é garantir a segurança total do uso da vacina e sua eficácia.

A mudança abre caminho para a inoculação em massa, mesmo enquanto os estágios finais dos testes clínicos para testar a segurança e eficácia continuam.

Segundo a Reuters, o presidente Putin enfatizou que a vacina passou pelos testes necessários, acrescentando que uma de suas duas filhas recebeu a vacina e está se sentindo bem.

Explicado: Por que as alegações da vacina Covid-19 da Rússia estão sendo questionadas

A velocidade com que a Rússia está se movendo para lançar sua vacina destaca sua determinação em vencer a corrida global por um produto eficaz, mas despertou preocupações de que pode estar colocando o prestígio nacional antes da ciência e da segurança. O país já havia se gabado de que em breve se tornará o primeiro país a aprovar uma vacina contra Covid-19.

A Reuters relatou que as autoridades russas disseram que trabalhadores médicos, professores e outros grupos de risco serão os primeiros a serem vacinados.

Verificação de fatos: por que a vacina russa Covid-19 ainda está longe de estar pronta

De acordo com o relatório da Bloomberg, a Rússia estava planejando 'registrar' sua nova vacina contra o Coronavírus entre 10 e 12 de agosto. Foi essa abordagem acelerada que o Dr. Anthony Fauci, o maior especialista em doenças infecciosas dos Estados Unidos, questionou na semana passada.

Rastreador de vacina Covid-19: a OMS pede à Rússia que siga as regulamentações; Grã-Bretanha diz que não vai usar vacina russa

Espero que os chineses e os russos estejam realmente testando uma vacina antes de aplicá-la a qualquer pessoa, porque as alegações de ter uma vacina pronta para distribuir antes de fazer o teste são, na melhor das hipóteses, problemáticas, disse o Dr. Fauci. AP.

Explicado

Por que as alegações da vacina Covid-19 da Rússia estão sendo questionadas

A velocidade super rápida com que a vacina russa foi produzida, eclipsando líderes como Oxford-AstraZeneca, Moderna e Pfizer, fez com que especialistas sinalizassem que o governo cortou atalhos e pode colocar os cidadãos em risco. O que irritou os especialistas é o fato de que os testes em humanos da vacina, que levam vários anos em circunstâncias normais, foram concluídos em menos de dois meses.

Perguntas sobre essa vacina candidata vêm depois que EUA, Grã-Bretanha e Canadá acusaram a Rússia, no mês passado, de usar hackers para roubar pesquisas de vacinas de laboratórios ocidentais.

Enquanto isso, o secretário de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, Alex Azar, disse à AP que é mais importante ter uma vacina segura e eficaz contra o coronavírus do que ser o primeiro a produzi-la. Azar, em visita a Taiwan, foi questionado pela ABC na terça-feira o que ele acha do anúncio da Rússia de que se tornou o primeiro país a registrar uma vacina contra o vírus.

Ele diz: A questão não é ser o primeiro com uma vacina. O objetivo é ter uma vacina que seja segura e eficaz para o povo americano e para o mundo inteiro.

Distribuir primeiro uma vacina é uma questão de prestígio nacional para o Kremlin, que tenta fazer valer a imagem da Rússia como uma potência global capaz de competir com os EUA e a China.

Em abril deste ano, Putin ordenou que as autoridades estaduais reduzissem o tempo de testes clínicos para uma variedade de medicamentos, incluindo vacinas potenciais contra o coronavírus, informou a AP. De acordo com a Associação de Organizações de Ensaios Clínicos da Rússia, o pedido, ao qual a AP tinha acesso, estabeleceu um padrão inatingível para os cientistas que, como resultado, se juntaram à corrida louca, na esperança de agradar aos que estão no poder.

De acordo com o registro mantido pela Universidade Johns Hopkins, o coronavírus infectou mais de 20 milhões de pessoas em todo o mundo.

(Com informações da Reuters, AP)