O presidente francês Emmanuel Macron deu um tapa na cara durante caminhada

O homem, que vestia uma camiseta cáqui, gritou “Abaixo a Macronia” (“A Bas La Macronie”) e deu um tapa em Macron no lado esquerdo do rosto.

O presidente da França, Emmanuel Macron, ao centro, é esbofeteado por um homem, de camiseta verde, durante uma visita a Tain-l’Hermitage, na França, terça-feira, 8 de junho de 2021. (BFM TV via AP)

Um homem deu um tapa no rosto do presidente Emmanuel Macron na terça-feira durante uma caminhada no sul da França. Mais tarde, Macron disse que não temia por sua segurança e que nada o impediria de continuar com seu trabalho.

Em um vídeo que circulou nas redes sociais, Macron estendeu a mão para cumprimentar um homem em uma pequena multidão de curiosos que estava atrás de uma barreira de metal enquanto ele visitava uma faculdade de treinamento profissional para a indústria da hospitalidade.

O homem, que vestia uma camiseta cáqui, gritou Abaixo com Macronia (A Bas La Macronie) e deu um tapa em Macron no lado esquerdo do rosto. Ele também podia ser ouvido gritando Montjoie Saint Denis, o grito de guerra do exército francês quando o país ainda era uma monarquia.

Dois dos seguranças de Macron abordaram o homem de camiseta e outro conduziu Macron para longe. Outro vídeo postado no Twitter mostrou que o presidente, alguns segundos depois, voltou à fila de curiosos e voltou a apertar as mãos.

O prefeito local, Xavier Angeli, disse à rádio franceinfo que Macron pediu que seu segurança o deixasse, enquanto o criminoso estava sendo mantido no chão.

Duas pessoas foram presas, disse uma fonte policial à Reuters.

A identidade do homem que esbofeteou Macron e seus motivos não eram claros.

O slogan que o homem gritou foi cooptado nos últimos anos por monarquistas e pessoas da extrema direita na França, Fiametta Venner, uma cientista política que estuda extremistas franceses, disse à emissora BFMTV.

Macron estava em uma visita à região de Drôme para encontrar donos de restaurantes e estudantes e falar sobre como voltar a uma vida normal após a pandemia de COVID-19. Foi uma de uma série de visitas que ele está fazendo, dizem seus assessores, para tomar o pulso do país antes das eleições presidenciais no próximo ano. Posteriormente, ele continuou sua visita à região.

Detalhe de segurança

Macron, um ex-banqueiro de investimentos, é acusado por seus oponentes de fazer parte de uma elite endinheirada, distante das preocupações dos cidadãos comuns.

Em parte para se opor a essas alegações, ele ocasionalmente busca contato próximo com eleitores em situações improvisadas, mas isso pode gerar desafios para seu destacamento de segurança.

As imagens no início do incidente de tapa de terça-feira mostraram Macron correndo até a barreira onde os espectadores estavam esperando, deixando seu destacamento de segurança lutando para acompanhá-lo. Quando o tapa aconteceu, dois dos seguranças estavam ao seu lado, mas outros dois tinham acabado de alcançá-lo.

Em entrevista ao jornal Dauphine Libere após o ataque, Macron disse: Você não pode ter violência ou ódio, seja na fala ou nas ações. Caso contrário, é a própria democracia que está ameaçada.

Não permitamos que eventos isolados, indivíduos ultraviolentos ... assumam o debate público: eles não merecem.

Macron disse que não temia por sua segurança e continuou apertando as mãos de membros do público depois de ser atingido. Eu continuei e vou continuar. Nada vai me impedir, disse ele.

Em 2016, Macron, que era ministro da Economia na época, foi atacado com ovos por sindicalistas de extrema esquerda durante uma greve contra as reformas trabalhistas. Macron descreveu esse incidente como parte do curso e disse que não iria refrear sua determinação.

Dois anos depois, manifestantes antigovernamentais de colete amarelo importunaram e vaiaram Macron em um incidente que aliados do governo disseram que deixou o presidente abalado.