Caixa de fatos: Quem está competindo nas eleições do Iraque?

A votação foi marcada para o próximo ano, mas foi antecipada para satisfazer os manifestantes que tomaram as ruas em 2019 por causa da corrupção galopante e serviços precários.

Homens iraquianos se preparam para colocar um pôster de campanha eleitoral em uma rua antes das eleições parlamentares em Bagdá. (Reuters)

O Iraque realiza uma eleição geral em 10 de outubro, sua quinta votação parlamentar desde a invasão liderada pelos EUA que derrubou Saddam Hussein em 2003 e deu início a um complexo sistema multipartidário contestado por grupos definidos em grande parte por seitas ou etnias.

A votação foi marcada para o próximo ano, mas foi antecipada para satisfazer os manifestantes que tomaram as ruas em 2019 por causa da corrupção desenfreada, serviços precários e a visão amplamente difundida de que a elite abusou do poder para se enriquecer.

Espera-se que grupos oriundos da maioria muçulmana xiita continuem no comando, como tem acontecido desde que o regime sunita de Saddam foi removido do poder.

[oovvuu-embed id = 903ce13f-b934-4366-bc4f-d229566ac0ca frameUrl = https://playback.oovvuu.media/frame/903ce13f-b934-4366-bc4f-d229566ac0ca” ; playerScriptUrl = https://playback.oovvuu.media/player/v1.js%5D

Mas os xiitas estão profundamente divididos, inclusive sobre a influência do Irã xiita ao lado.

Os ativistas que buscaram a remoção de toda a classe política estão divididos sobre a possibilidade de contestar a votação e devem ganhar algumas cadeiras, no máximo. Uma nova lei eleitoral também garante às mulheres pelo menos 83 assentos no parlamento.

Aqui estão os principais grupos que competem pelos 329 assentos do parlamento:

O Movimento Sadrista

Espera-se que a organização política do clérigo muçulmano xiita Muqtada al-Sadr, o Movimento Sadrista, surja como a maior facção do parlamento.

A aliança Saeroon liderada por Sadr ganhou 54 cadeiras em 2018, mais do que qualquer outra facção, dando a Sadr influência decisiva na formação do governo. Seu movimento usou sua influência parlamentar para expandir seu controle sobre grandes partes do estado.

O Movimento Sadrista segue uma plataforma nacionalista, buscando se diferenciar das facções xiitas apoiadas pelo Irã.

Sadr liderou militantes xiitas contra as forças dos EUA após a invasão e herdou uma legião de seguidores entre os empobrecidos xiitas que reverenciavam seu pai, Mohammed Sadiq al-Sadr, morto pelo regime de Saddam.

Grupos alinhados ao Irã

Liderado por comandantes de milícias que têm laços estreitos com o Irã, o maior agrupamento de partidos alinhados ao Irã está sob a Aliança Fatah liderada pelo líder paramilitar Hadi al-Amiri, cujo bloco ficou em segundo lugar em 2018 com 48 cadeiras.

A Aliança Fatah inclui o braço político de Asaib Ahl al-Haq, que os Estados Unidos designaram uma organização terrorista e também representa a Organização Badr, que tem laços de longa data com Teerã e lutou ao lado do Irã na guerra Irã-Iraque de 1980-1988.

Todos os paramilitares xiitas desempenharam um papel importante na derrota do Estado Islâmico, quando este conquistou um terço do Iraque entre 2014 e 2017.

Alguns partidos alinhados ao Irã estão concorrendo fora do guarda-chuva do Fatah, incluindo o recém-formado partido Huqouq do representante iraquiano mais poderoso do Irã, o Kataib Hezbollah.

Outras alianças xiitas

O ex-primeiro-ministro Haider al-Abadi e o Movimento Hikma do clérigo xiita moderado Ammar al-Hakim uniram forças para criar a Aliança Nacional das Forças do Estado.

Uma aliança liderada por Abadi ficou em terceiro lugar em 2018, ganhando 42 cadeiras, depois que ele presidiu a derrota do Estado Islâmico.

Hikma venceu 19.

O ex-primeiro-ministro Nuri al-Maliki, líder sênior de um dos partidos políticos xiitas mais antigos do Iraque, Dawa, chefia a coalizão do Estado de Direito que conquistou 25 cadeiras em 2018. Maliki é amplamente acusado de fomentar a corrupção e o sectarismo anti-sunita que ajudou o Estado Islâmico a ganhar seguidores.

Festas sunitas

O presidente do parlamento sunita Mohammed al-Halbousi está liderando a Taqaddum, ou progresso, aliança que compreende vários líderes sunitas da maioria sunita do norte e oeste do Iraque e deve obter muitos votos sunitas.

O principal concorrente de Halbousi é Khamis al-Khanjar, um magnata que se juntou à Aliança Fatah apoiada pelo Irã após a eleição de 2018. A coalizão de Khanjar é chamada de Azm.

Os partidos sunitas geralmente procuram apelar às lealdades tribais e de clã. Os grupos sunitas têm mostrado pouca unidade desde 2003, o que os eleitores sunitas reclamam que os torna fracos na tentativa de rivalizar com o poder xiita.

Os sunitas foram atacados e desencorajados de participar das primeiras eleições no Iraque depois de 2003 por insurgentes sunitas que apoiavam Saddam e militantes islâmicos que se opunham à democracia.

Curdos

A região do Curdistão no norte do Iraque tem autonomia de fato desde 1991 e tornou-se formalmente autônoma sob a constituição do Iraque de 2005. Seus partidos sempre participam das eleições e são importantes corretores de poder.

Os dois principais partidos curdos são o Partido Democrático do Curdistão (KDP), que domina o governo curdo na capital Erbil, e o partido União Patriótica do Curdistão (PUK), que domina áreas ao longo da fronteira iraniana e tem sede em Sulaimaniya.

O KDP conquistou 25 cadeiras em 2018 e o PUK, 18. Eles reterão a maior parte dos votos curdos, seguidos por partidos menores. A contagem total de sete partidos curdos em 2018 foi de 58.

Ativistas

Embora os protestos de 2019 tenham levado o governo anterior à renúncia, pouca coisa mudou desde então. A luta que enfrentaram foi destacada pelo uso de força mortal contra os manifestantes.

Alguns dos ativistas que protestaram em 2019 estão pedindo um boicote. Mas outros formaram seus próprios partidos ou se juntaram a coalizões moderadas, como a de Abadi e Hakim.

O Movimento Imtidad é um dos poucos partidos liderados por ativistas a apresentar candidatos, liderado pelo farmacologista Alaa al-Rikabi, natural de Nassiriya, no sul do Iraque, onde alguns dos ataques mais mortais contra manifestantes ocorreram em 2019.