Brasil renova proteção de tribo pouco vista da Amazônia por seis meses

Antropólogos dizem que as tribos isoladas da Amazônia não podem sobreviver sem suas terras e estão cada vez mais enfrentando invasores armados interessados ​​em caça furtiva, agricultura e mineração em seu território.

A agência de relações indígenas do Brasil, Funai, renovou na sexta-feira uma ordem de proteção para a área de 242.500 hectares (599.230 acres) no oeste do estado de Mato Grosso. (Foto: Reuters)

Os dois únicos homens conhecidos da tribo Piripkura no Brasil vivem isolados em terras ancestrais do tamanho de Luxemburgo na floresta amazônica, resistindo a décadas de invasão por madeireiros e criadores de gado.

A agência de relações indígenas do Brasil, Funai, renovou na sexta-feira uma ordem de proteção para a área de 242.500 hectares (599.230 acres) no oeste do estado de Mato Grosso. Mas a proteção renovada durará apenas seis meses, ao contrário das prorrogações de três anos concedidas para o território desde 2008.

O destino do Piripkura se tornou um teste aos direitos indígenas sob o presidente de extrema direita Jair Bolsonaro, que criticou as reservas por dar terras demais para poucas pessoas e bloquear a expansão da mineração e da agricultura.

Os defensores dos direitos indígenas pressionaram por uma extensão de três anos, como nas renovações anteriores. O grupo de advogados Survival International considerou a suspensão da execução por parte do governo para avaliar as reações antes de encerrar totalmente a proteção.

Ainda estamos profundamente preocupados, pois o futuro de Piripkura ainda está em jogo, enquanto os grileiros estão dando voltas e prontos para invadir, disse Fiona Watson, diretora de pesquisa e defesa da Survival International.

O Ministério Público do Brasil instou o governo a renovar as ordens de proteção que estão prestes a expirar para quatro grupos de indígenas. Segundo o relatório, o Brasil é o país sul-americano com o maior número de indígenas vivendo voluntariamente em isolamento, com 114 grupos avistados.

Rita Piripkura, membro da tribo Piripkura, é vista durante sua entrevista inédita para a Survival International, na aldeia Karipuna, no estado de Rondônia, Brasil. (Foto: Survival International / S Shenker / Folheto via Reuters)

O procurador da República Ricardo Pael, que busca a prorrogação de ordem judicial em Mato Grosso, disse que a prorrogação deve ser realizada até que a Funai tome a decisão final sobre a oficialização da reserva tribal dos Piripkura.

ENCONTROS ESPORÁDICOS

Os homens Piripkura, Baita e sobrinho Tamanduá, só foram vistos nos últimos anos em encontros esporádicos com funcionários da Funai. Com a barba por fazer, cabelos compridos e nus, eles desaparecem rapidamente de volta para a floresta, onde acredita-se que outros Piripkura vivam.

A irmã de Baita, Rita Piripkura, tem sido o contato dos homens com o mundo exterior desde que ela emergiu para se casar com outra tribo na reserva Karipuna próxima.

Estou preocupado que eles sejam mortos. Existem muitos forasteiros por aí. Eles podem matar os dois e não sobrará ninguém, disse Rita à Survival International em uma entrevista gravada, lembrando um massacre de seu povo anos atrás.

Homens brancos chegaram de madrugada e mataram todos. Eles mataram nove de nós. Minha família escapou em uma canoa, disse ela.

Em julho, o procurador federal Pael obteve liminar para a expulsão de fazendeiros da terra Piripkura, o território mais desmatado de todos os povos amazônicos isolados ou recentemente contatados. A polícia ainda não agiu conforme a ordem.

Antropólogos dizem que as tribos isoladas da Amazônia não podem sobreviver sem suas terras e estão cada vez mais enfrentando invasores armados interessados ​​em caça furtiva, agricultura e mineração em seu território.

Imagem sem data de dois homens da tribo Piripkura durante um encontro com uma unidade da FUNAI antes de voltarem a morar na floresta amazônica. Foto: Survival International / Bruno Jorge / Folheto via Reuters)

Os invasores se tornaram mais ousados ​​desde a eleição de Bolsonaro em 2018, que certa vez elogiou o coronel George Custer em um discurso por seu papel na limpeza das pradarias dos EUA de povos indígenas.

Ele está apoiando um projeto de lei no Congresso que limitaria as reivindicações de terras indígenas e ajudaria a abrir reservas tribais para mineração comercial e plantações.

O Ministério Público informou em seu comunicado que as mineradoras têm 55 pedidos de licenças de prospecção nas terras de Piripkura, que serão retidos pela ordem de proteção por mais seis meses.

Os defensores dos indígenas temem que a falha na renovação dessas ordens signifique uma eventual extinção dos territórios protegidos.

Será o fim da Piripkura, disse Fabrício Amorim, ex-funcionário da Funai que hoje trabalha na OPI, ONG que defende os direitos dos indígenas isolados e recentemente contatada.