Jardim paisagístico do Brasil recebe status de patrimônio mundial da UNESCO

O Sítio Burle Marx, no oeste do Rio, possui mais de 3.500 espécies de plantas nativas do Rio e é considerado um laboratório de experimentação botânica e paisagística.

Vista do ateliê da antiga residência de Roberto Burle Marx, hoje eleito Patrimônio da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, UNESCO, no Rio de Janeiro, Brasil. (AP)

Mundialmente conhecido por suas belezas naturais, o Rio de Janeiro recebeu uma nova distinção internacional na terça-feira, quando a UNESCO acrescentou a antiga casa do arquiteto paisagista Roberto Burle Marx à sua lista de locais do Patrimônio Mundial.

O Sítio Burle Marx, na região oeste do Rio, possui mais de 3.500 espécies de plantas nativas do Rio e é considerado um laboratório de experimentação botânica e paisagística.

O reconhecimento foi concedido durante uma reunião do Comitê do Patrimônio da UNESCO na China. O local foi designado como Paisagem Cultural, categoria que celebra locais que permitem a interação entre o meio ambiente e as pessoas.

O jardim apresenta as principais características que definiram os jardins paisagísticos de Burle Marx e influenciaram o desenvolvimento de jardins modernos internacionalmente, disse a UNESCO em um comunicado.

Leitura|Rio de Janeiro vai permitir alguns espectadores na final da Copa América

O jardim é caracterizado por formas sinuosas, plantação em massa exuberante, arranjos arquitetônicos de plantas, contrastes dramáticos de cores, uso de plantas tropicais e a incorporação de elementos da cultura popular tradicional.

O local que leva o nome de Burle Marx foi sua casa até 1985, quando ele doou ao governo federal. Ele foi reconhecido como um dos mais importantes paisagistas do século 20 e é responsável pela criação do conceito de jardim tropical moderno.

Na propriedade, aberta à visitação, plantas tropicais e semitropicais convivem com a mata atlântica nativa e 3.000 peças de arte pré-colombiana e moderna.

(Este reconhecimento) é o resultado de um processo que foi longo e muito difícil, mas também gratificante, disse Claudia Pinheiro Storino, diretora do Sítio Burle Marx.

Foi um grande esforço de muita gente. Burle Marx realizou projetos em outras cidades brasileiras e também no exterior, incluindo Miami e Buenos Aires, antes de morrer em 1994. O Site Burle Marx é considerado uma das obras mais importantes do artista.

É o 23º local brasileiro reconhecido na lista de locais do Patrimônio Mundial da UNESCO.